Tentando entender o japão em Tune in tokyo: the gaijin diaries

Cultura é um negócio engraçado. A gente sempre acha que a nossa cultura faz mais sentido do que as outras, quando a verdade é que somos todos fruto de nosso tempo e espaço. Foi um grande prazer, pra mim, ouvir o audiobook Tune in Tokyode Tim Anderson e narrado por MacLeod Andrews – que tem uma pronúncia perfeita do japonês, o que é animador.

Organizado em pequenas crônicas, a história é auto-biográfica. Parece que o autor tentou manter-se o menos glorificado possível, às vezes até exagerando um pouco, o que gerou algumas passagens mais cômicas do que a situação real deve ter sido. Tim estava estagnado em determinado momento da vida, com um emprego que ele odiava e nenhum rumo certo. É aí que surge a oportunidade de ir para o Japão dar aulas de inglês, mesmo sem saber uma só palavra da língua nipônica.

No Japão, Tim passa por diversos causos nos dois anos que passou na terra do sol nascente. Desde o problema de sua sexualidade acabar reprimida em meio à um povo tão difícil de sondar como o japonês, até a  formação de uma banda de rock experimental. As histórias de Tim são recheadas de sarcasmo e situações que variam do dia-a-dia até viagens filosóficas sobre a natureza da cultura japonesa.

Além disso, a voz de MacLeod Andrews encaixa como uma luva no nosso herói moderno, com uma fala clara e a já mencionada boa dicção do japonês quando foi preciso mencionar nomes de lugares. MacLeod passa a tristeza e a emoção do texto de forma muito sincera, e seu talento é impressionante.

Infelizmente, como todas as minhas leitura últimamente, só está disponível em inglês. Mas se você não curtir livros em audio, pode comprar em letrinhas impressas ou virtuais.

[Peço perdão ao Alexandre Costa por roubar a coluna dele sem pedir, mas esse livro caiu como uma luva pra ela]

Anúncios

Red Shirts, de John Scalzi: Para aficcionados e admiradores de Star Trek

Publiquei uma resenha no Audible.com hoje do livro Red Shirts, de John Scalzi. Acabei resolvendo publicar uma resenha um pouco mais completa aqui, mas a versão resumida você encontra por lá mesmo. O livro, que não tem versão traduzida para o português ainda, foi lançado em junho deste ano e é narrado, na versão em audio que ouvi, por Wil Wheaton – ator e patrono nerd.

A história acompanha o novo tripulante da Universal Union Capital Ship (UUCS) Intrepid, uma nave espacial de exploração do século 25, Andrew Dhal. Recém-formado, Dhal descobre que ele e todos os tripulantes da nave, exceto pelos oficiais de alto escalão, morrem de forma horrenda nas mais diversas situações durante suas missões universo afora. Eles são os “camisas-vermelhas”, um conhecido lugar comum popularizado pela série de televisão (e grande homenageado pelo livro) Star Trek.

Continuar lendo