Ouvindo na terça: um monte de versões de músicas de videogame.

Eu queria mostrar um pouco do excelente talento da usuária lara6683, uma australiana que costuma produzir excelentes versões de trilhas famosas de jogos de videogame, seriados e filmes. Nos vídeos acima, aproveito para relembrar uma brincadeira muito interessante de de Koji Kondo, criador da trilha sonora de Zelda. Alguns podem dizer que foi pura preguiça, mas inverter a aclamada música tema do jogo para criar uma nova música foi não só uma excelente saída, mas acabou ficando um gostinho de auto-referência em proporções que antes só víamos em doidos como o Hideo Kojima.

Enfim, dica e referência fazem um post bacana, né? E nesta quinta-feira vou ressucitar uma coluna e entrar em território desconhecido, então: fique atento, bravo leitor! Haverá atualização!

Speed Racer, um dos primeiros animes a ser exibido no Brasil, completa 45 anos

Nem todo mundo sabe, mas bem antes do fenômeno Cavaleiros do Zodíaco, em meados dos anos 90 que mudou a história dos animes no Brasil, outro desenho japonês já havia feito bastante sucesso por aqui. Há 45 anos o piloto Speed Racer (Go Mifune, no original) e seu Mach 5 – nome um tanto quanto pretencioso para um carro de corrida que chegava a um pouco mais de 300km/h* – eram adaptados e se tornaram uma série em desenho animado.

O mangá, assim como o título original do anime, se chama Mach Go Go Go e foi criado por Tatsuo Yoshida. A partir do sucesso do quadrinho, Yoshida e seus irmãos criaram a Tatsunoko Studios, que produziu a versão animada de Mifune e sua equipe a partir de 1967.

Continuar lendo

ContinueCast: Análises elaboradas de jogos clássicos

Para quem curte ouvir uma galera bem humorada falar sobre retro games, fica a dica do excelente ContinueCast. Todo o episódio, os três âncoras do magnífico programa “Continue?” analisam um jogo clássico do Super Nintendo, Mega Drive e do Nintendinho, contando com a participação de seus ouvintes.

Eu me divirto muito com o estilo dos caras, e o programa deles tem momentos épicos demais. Vale inscrição.

Ernest, O Vampiro

No Rio de Janeiro, o Canal Brasil substituiu a TV Cultura há alguns anos. O canal possuía uma quantidade grande de ótimos desenhos animados que contavam excelentes histórias. Um deles, mais perturbador do que a maioria, era “Ernest, o Vampiro”. Todos os episódios terminavam com um pesadelo do dentuço vampiro francês em uma situação horripilante. Ernest foi criado por François Bruel em 1988. O artista, inclusive, trabalhou em jogos de tabuleiro ao longo da vida.

No fim, você podia ver um quê de experimentalismo no formato, o que é interessante de verificar em um programa infantil. Mas, vá lá, existia Pingu na época também, então já havia alguma coisa diferente neste canal.

[via Francês Dicas via Canal LittleGothChick, no Youtube]