Existem vantagens em criar jogos para a web?

Certo, este post vai ser um pouco sobre desenvolver jogos. Por quê? Oras, todo o jogador no fundo gostaria de fazer seu próprio jogo, assim como todo o cinéfilo no fundo queria ser cineasta. Portanto, vamos entrar em um campo levemente fora da minha zona de conforto e falar um pouco sobre desenvolver jogos na web.

No vídeo acima, você pode assistir uma interessante palestra do Paul Bakaus, um proeminente desenvolvedor web que criou o jQuery UI. jqUI é um conjunto de ferramentas de usabilidade para desenvolver sites. Durante a palestra, Bakaus ensina um pouco do que ele aprendeu desenvolvendo sua engine para criar jogos usando HTML5, CSS3 e Javascript – um monte de linguagens de programação e estilo que usamos hoje para criar sites maneiros que só funcionam nos navegadores mais avançados da internet. Mas será que realmente queremos jogos para a web?

Farm Ville, da Zynga, e sua maldita falta de bom senso

Farm Ville, da Zynga, e sua maldita falta de bom senso

O que temos hoje

Em um mercado crescente de aplicativos web e pessoas cada vez mais conectadas às redes sociais, há um ano ou dois atrás parecia cada vez mais claro que a grana preta estava nas fazendinhas virtuais, felizes e contentes em criar um monte de seres preocupados em clicar em determinados bichos à cada X horas. Esse tempo, felizmente, já passou e estamos em uma era de jogos em flash que se comunicam com o Facebook e o Twitter para desempenhar uma conexão entre jogadores e não-jogadores para alavancar o público e vender propaganda. Parece que nada mudou tanto assim, visto que isso já era feito há algum tempo pelos talentosos desenvolvedores de jogos em flash.

No entanto, os jogos são um meio de contar histórias – e a existência de blogs como esse é prova disso. Me parece que, cada vez mais, nenhum jogo desenvolvido para a web está entregando nenhuma experiência mais social do que criar um monte de “bons samaritanos”, dando presentes para desavisados. É como se estivéssemos, para sempre, criando e recriando mecânicas que não significam nada para o jogador. Afinal, como você se relaciona com um monte de números e estratégias que você já conhece, ou com cliques incessantes de “mate todos”? O que falta nos jogos para web, hoje, é aquele sentimento bacana de descobrir mais um pedaço daquele plot, ou de criar uma história sua com mecânicas diversas que se complementam (o tal do sandbox), ou até mesmo um jogo que te atraia pelos olhos – Rayman Origins vem à mente agora, apesar de eu apenas ter jogado a versão para Android.

No fim, parece que todo mundo que desenvolve jogos na web não quer saber de nada além de grana. Ou então que, quando alguém quer contar uma história, prefere fazer isso nos meios consolidados – flash, consoles et al. Não seria a hora dos desenvolvedores começarem a pensar na web como algo maior do que jogar na cara dos nossos amiguinhos que ganhamos uma estrelinha em algum momento de um jogo? Por quê não dividimos uma experiência de jogo? Um acontecimento?

Fallout foi uma série importante para a história dos videogames, e seus gráficos estão muito aquém do que podemos fazer hoje em nossos navegadores.

Fallout foi uma série importante para a história dos videogames, e seus gráficos estão muito aquém do que podemos fazer hoje em nossos navegadores.

Talvez estejamos prontos

Com tecnologias e engines se desenvolvendo rapidamente pela web, podemos ver a proliferação de uma nova linguagem na criação de jogos para a web. No vídeo lá do início do post, aos 40’50”, temos uma demonstração de como o futuro dos jogos para web pode ser imersivo e promissor. No fim das contas, podemos criar experiências que vão além do “brincar de casinha” ou “juntar dinheirinho” e partirmos para jogos profundos usando essa tecnologia, podemos criar toda uma linguagem baseada em exploração, em desvendar a história antes dos nossos amigos, ou simplesmente de dividirmos momentos nos jogos com as pessoas que conhecemos. O pior: Nós já fazemos isso hoje, basta integrar tudo em nossos navegadores que uma nova linguagem pode nascer.

Por quê não começamos de uma vez?

[O poderoso mercado é a nova coluna, onde pretendemos dissecar o desenvolvimento de jogos eletrônicos e o impacto das novas tecnologias nesse mercado]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s